Legião Urbana Uma Outra Estação
Bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet

eXTReMe Tracker
 

"Marcelo Bonfá luta contra uma Legião"

Redação AOL

Tente não associar o nome Marcelo Bonfá com a banda Legião Urbana. Conseguiu? Não? Tudo bem, até para quem conhece apenas os sucessos Eduardo e Monica e Faroeste Caboclo a missão é difícil. Por isso, qualquer passo, que os dois integrantes remanescentes der, será acompanhado de perto, com uma lupa, pelos fanáticos seguidores da Legião. É com essa situação que Bonfá, o primeiro a se aventurar pelas curvas perigosas de uma carreira solo, deve duelar o tempo inteiro. E isso, o irrita? "Acho que o disco está incomodando muita gente. É engraçado, tenho visto muita critica por aí. As pessoas não conseguem ver como sendo um trabalho novo, de um artista novo. Mas eu sabia que ia ser assim. Eu estava esperando. Só não estava preparado", confessa Marcelo Bonfá em uma conversa com a AOL. Recém chegado do Rio e vestindo calça jeans e camiseta, ele sabe que será atacado por um batalhão de jornalistas ao longo do dia. Sentado em uma cadeira de madeira, no jardim da gravadora Trama, ele fala de seu projeto solo enquanto começa a sentir o frio de uma tarde paulista.

Casa e disco

A historia por trás de O Barco Alem do Sol, titulo dado por seu filho, Tiago, se confunde com a história da construção de sua casa. Três anos antes do fim da Legião, Bonfá já traçava as primeiras linhas do que ele imaginava ser seu habitat pelos próximos anos. Em um terreno na Barra, o bairro miami-chic do Rio (ele explica: "Não vou muito a praia não. No Rio eu não gosto, freqüento quando estou na Bahia"), começou a ser erguido o seu sonho. A casa ficou pronta seis meses antes do falecimento de Renato Russo; o estúdio, só no começo do ano passado. Nesse meio tempo, Bonfá aproveitou a estrutura não convencional de sua sala de estar para criar seus sons. "O pé direito é muito alto, isso faz com que o som reverbere. Fiquei um tempão trabalhando nesse ambiente, só fone de ouvido e teclado. Mas quando o estúdio ficou pronto, comecei a produzir o CD".

Ao contrario do que foi publicado pela imprensa musical na época em que vazou a informação o de que Bonfá estava compondo para sua carreira solo, O Barco alem do Sol não é um disco de musica eletrônica. Quem escutou a primeira faixa de trabalho, Depois da Chuva, sabe disso. "É que eu fiquei um bom tempo trabalhando em cima dos timbres, com um teclado e computador", explica o mau entendido. Na verdade, o primeiro trabalho solo de Bonfá lembra bastante a sua banda antiga. "Fiz um disco nos moldes das composições da Legião Urbana. Mas eu busquei uma leveza. Nas letras, queria simplicidade e acho que consegui até incluir um fator visual bacana", conta. Mas o álbum foi feito para agradar os fas da Legião? "Se eu tivesse parado pra pensar nisso, eu não tinha feito porra nenhuma. Fiz porque eu senti uma necessidade. Se eu quisesse, passava o dia inteiro na praia, vivendo de royalties", desabafa Bonfá."

www.americaonline.com.br 24/05/2000

 

Política de Privacidade

Skooter 1998 - 2008