Legião Urbana Uma Outra Estação
Bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet

eXTReMe Tracker
 
PESADELO RUSSO
Sexo, religião, drogas, contemplação e vaidade misturam-se em nova biografia de líder morto da Legião Urbana

    O herói pós-moderno Renato Russo (1960-96) é o personagem-tema de nova biografia da série Perfis do Rio, Renato Russo - O Trovador Solitário, escrita pelo jornalista carioca Arthur Dapieve, de 37 anos. De texto preciosista e fluente, o livro acompanha com afinco a trajetória do ex-líder da banda brasiliense Legião Urbana, mas sem alcançar a condição-clichê de "biografia definitiva" do artista.
    Alguns pontos são esclarecidos, mas poucos são aprofundados, escarafunchados - bem, OK, é um perfil, não uma descida ao inferno. Renato é tido como "autodestrutivo" (impressão colhida de outra jornalista, Ana Maria Bahiana), fala-se do episódio em que cortou os pulsos, aos 15 anos mas a zona escura que o conduzia a tais humores não é motivo de maiores análises.
    Sabe-se, por Dapieve, que Reato aos 18 anos já havia reconhecido para si e para a família sua homossexualidade - mas pouco se revela sobre como tal condição contribui para encaminhar sua obra e sua vida. Chega-se a certa hora ao indomável, aos episódios assustadores de batalha campal que a Legião, última das bandas pop políticas brasileiras, protagonizou em Brasília, em 88.
    Herói político-romântico, cronista amoroso distanciado (diz Dapieve, por exemplo, que Eduardo e Mônica não era imitação da vida), Renato naquele momento vivia ponto de virada, de exemplo proclamado pelos fãs a messias amado/odiado por multidões amedrontadoras.
    Mesmo rejeitando essa sina messiânica que começava a caramelizar sua figura, artisticamente a viagem violenta resultou no barroco álbum As Quatro Estações (89), que só viria reforçar a imagem conturbada, de sexo com religião, drogas mais contemplação, vaidade e ascese.
    Deve Ter sido esse o grande mistério deixado por Renato - mais que a pequena revolução gerada pela admissão pública de sua
sexualidade ainda no crucial 89, a convivência com a Aids ou a tempestade de granizo de seus últimos dias de vida. Houve essa fase em que artistas pop mergulharam no messianismo, quase na religião rock - no Brasil, além dele, talvez somente Raul Seixas -, e o que levou Renato Russo a essa teia, antes e depois de morrer, é tarefa deixada pra depois.

Correio Popular - Campinas - 28/08/2000

 

Política de Privacidade

Skooter 1998 - 2008