Legião Urbana Uma Outra Estação
Bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet

eXTReMe Tracker
 

Legião Urbana "faz as pazes" com SP
Depois de quatro anos sem se apresentar na cidade, a banda reaparece e promete fazer show empolgante
(Folha de São Paulo - 06/06/1994)

(Por Humberto Finatti - Free-lance para a Folha)

O grupo Legião Urbana se apresenta dias 16 e 17 em São Paulo, depois de quatro anos de "greve" de palcos paulistanos.

Em 12 anos de existência, o Legião, apesar da imagem de "difícil", vendeu mais de um milhão de discos e, principalmente, arrebanhou uma multidão de fãs.

O Folhateen passou o último feriado com os legionários, no Rio. Mais que uma entrevista, o grupo, sempre às turras com a imprensa, bateu papo.

Atendendo mais aos pedidos dos próprios fãs -que atulharam a Redação com cartas-, o grupo fala sobre música, homossexualismo e Copa do Mundo. Deve ser por isso mesmo que Renato Russo, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá continuam sendo "aqueles-caras-que-falam-o-que-a-gente-queria-dizer".


PALCO

Renato Russo - A banda está há quatro anos sem tocar em São Paulo. Tocamos em todo o Nordeste. Muitas pessoas vão ao show, sem nunca terem visto o Legião. Acho isso muito bom.

Bonfá - É gente que tinha seis ou sete anos quando a gente começou.

Russo - É, se a pessoa tem 14 anos hoje, quer dizer que ela tinha quatro quando lançamos o primeiro disco. A melhor coisa no show do Legião é o público. Dá vontade de ficar parado, olhando. Todo mundo canta e vibra.


AGRESSIVIDADE

Dado - Hoje em dia, depois dessa apresentação em Porto Alegre (o grupo fez show há duas semanas lá), as pessoas já vão preparadas para absorver o que a gente vai passar, que não é violência. É uma celebração.
Russo - Já houve um tempo em que eu achava necessário ter uma postura agressiva. Era como eu, como a gente, queria se expressar, ora bolas. Hoje não acho mais. Porque a violência está na vida das pessoas. O público demonstrava afetividade tacando coisas no palco, sendo agressivo. Nós tínhamos uma postura agressiva, falávamos certas coisas, mas ao mesmo tempo era uma coisa meio intimista e tímida. Talvez isso desse uma certa abertura para o público agir daquela maneira.


ADOLESCENTES

Dado - Eu acho que eles não têm informação. A gente teve contato com esse público em um programa de TV e foi assustador. Ficamos nos questionando: eles não entendem o que está sendo dito.

Russo - Acesso, tem. Mas não tem interesse. Olha eu acho uma coisa bem boba marcar as pessoas como gado. Cada ser humano, jovem ou criança é diferente.

Bonfá - Acho que essa galera é muito mais esperta do que a geração que passou.

Russo - É um pessoal que não tem maiores vícios. Podem não acreditar em muitas coisas. Também não acreditam em bobagens.

Dado - Do lado da minha casa tem uma seção eleitoral. Até ontem, último dia de cadastramento de jovens maiores de 16 anos, tinha uma fila dobrando o quarteirão. Essas pessoas tiram o título de eleitor, não porque são obrigadas, mas porque estão a fim de votar.

Russo - Acho muito fácil as pessoas sentarem suas bundas gordas na cidade e ficarem definindo a juventude. Não tenho que saber como é a cabeça do jovem. Tenho é que, como cidadão, ajudar as pessoas que vem depois de mim, a ter uma oportunidade.


HOMOSSEXUALISMO

Russo - Eu não acredito que uma pessoa tenha definição de sua vida sexual até os 25 anos. A pessoa não está formada. Para mim isso é uma coisa absolutamente normal. De uma vez por todas: o que existe é sexo. Fui educado para ser honesto e sincero. Chegou um momento em que decidi não escrever mais essas músicas, recebendo cartas de fãs e enganando meu público. Se eu sou de uma determinada maneira, me aceite como sou. Se não gosta, problema seu.


COPA

Dado - Acho que a seleção brasileira já está escalada. É isso mesmo e seja o que Deus quiser. Torcemos para que o Brasil ganhe.

Russo - Eu gostaria que, se o Brasil ganhar, a vitória fosse bonita. Se o Brasil perder, os rapazes da seleção não devem virar bodes expiatórios e o país um caos. Há coisas mais importantes que onze caras correndo atrás de uma bola.

 

MARCELO BONFÁ

"Desde que a gente se conheceu, nós mantemos o mesmo tipo de relação. A banda está junta até hoje porque funcionou como uma química, é difícil explicar. O Dado e o Renato são pessoas 100%. Eu gosto de subir no palco com o grupo superinteiro, super a fim. A relação com o público é legal. A gente vê pais levando seus filhos de 11 e 12 anos aos nossos shows. Muitos garotos que hoje são nossos fãs, tinham seis ou sete anos quando a gente começou."

 

Política de Privacidade

Skooter 1998 - 2008