Legião Urbana Uma Outra Estação
Bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet

eXTReMe Tracker
 

Bonfá deixando o passado para trás

Tatiana Tavares
International Magazine - Ano XI - Edição 62

Pouca gente parece lembrar, mas já faz três anos que a Legião Urbana foi oficialmente desintegrada pelos dois remanescentes do grupo - após a morte
de seu líder, Renato Russo. Mas nem por isso o trio de Brasília foi extinto do mapa do pop nacional. Com o lançamento do "Acústico" da banda, gravado
há sete anos para a MTV, o revival foi inevitável e suas músicas voltaram a freqüentar as paradas das FMs - como acontecia ainda na década de 80, assim como as camisetas e bottons do trio, que novamente circulam pelas ruas. Mas, infelizmente para muitos, a Legião acabou e é preciso começar uma nova etapa  e deixar definitivamente o passado para trás. Pensando desta maneira, o baterista Marcelo Bonfá acaba de assinar contrato com a Trama de São Paulo.

O baterista aposta em novidades e, depois de dois anos e meio de trabalho contínuo, lança em abril seu primeiro trabalho solo, "O Barco Além do
Sol", disco que tem produção dele próprio em parceria com Carlos Trilha, que vinha acompanhando a Legião em seus dois últimos álbuns, responsável também pelos discos da carreira solo de Renato Russo.

No álbum, além de assumir a bateria e o teclado, Bonfá aparece cantando e compondo letras, experiências inéditas nestes seus mais de 15 anos de
estrada. "Nunca precisei me preocupar com letras", lembra Bonfá. "Quando comecei a trabalhar neste projeto, pretendia chamar algumas pessoas para
me ajudarem com as letras. Mas, de repente, as idéias foram surgindo e tudo foi ficando tão bem amarrado que acabei assinando a maioria das músicas
inteiras". Das dez faixas, apenas três não são de sua autoria. "Duas delas ficaram com a Fernanda, do Pato Fú e a outra, com Fausto Fawcett", adianta.

Segundo ele, não houve qualquer tipo de preocupação em passar mensagem para os jovens, como fazia Renato Russo. "Não sei se ele fazia isso propositalmente. Nunca conversamos sobre isso. Ele chegava com as letras e pronto, ninguém discutia os temas ou dava opiniões. Neste meu trabalho,
escrevi sobre o que tive vontade, sobre o que estava vivendo e o que me influenciava na época. É claro que acabei falando de coisas que interessam
à juventude, mas não da mesma forma que o Renato fazia", explica.

O baterista afirma que "O Barco Além do Sol", título sugerido por seu filho Tiago, de sete anos, é um disco pop, mas nem por isso parece preocupado
com as comparações com o trabalho da Legião Urbana. "Isso vai acontecer e é inevitável. Mas, sinceramente, não perco meu tempo pensando nisso. Não
tenho que explicar nada a ninguém e fiz o disco que queria fazer, um disco para mim mesmo. Considero este trabalho como uma espécie de evolução dos álbuns da banda, a minha evolução como músico e compositor".

Bonfá optou por não contar com a colaboração do ex-parceiro Dado Villa-Lobos e preferiu recrutar Fred Nascimento para a guitarra. "Pensei em falar com o Dado, mas as coisas foram acontecendo tão rápido e dando tão certo, que acabei abandonando a idéia. Para falar a verdade, acho que nunca cheguei a conversar com ele sobre o disco", admite. Ao contrário de Renato Russo, que detestava o palco, o baterista pretende sair em turnê. "Ainda não pensamos na estratégia de marketing. Estou entrando de férias agora e, quando voltar, resolveremos como as coisas vão funcionar. Mas já adianto que tenho intenção de apresentar o disco ao vivo sim, conclui empolgado.

 

Política de Privacidade

Skooter 1998 - 2008