Legião Urbana Uma Outra Estação
Bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet

eXTReMe Tracker
 

Legião Urbana 1982 - 1996

Jornal "O Povo"

Legião Urbana 1982 - 1996
A trajetória do grupo que surgiu em Brasília e fez de Renato Russo o melhor amigo dos adolescentes
Data: 12/10/96 Tamanho: G
Editoria: Vida & Arte Página: 4B
Clichê: Primeiro
Autor: Christiane Viana
Crédito: Bizz
Legenda: Dado, Bonfá e Renato Russo num dos momentos de descontração do grupo: trajetória peculiar, poucos shows e legião de fãs
Observação: Capas de discos / Quadro com fotos: "Memória Iconográfica"

Com a morte de Renato Russo, a Legião Urbana perde a razão de ser. Não é que Dado Villa-Lobos (guitarra) e Marcelo Bonfá (bateria) não possuam o seu valor - muitas bandas dariam tudo para tê-los como integrantes. Mas, convenhamos, é impossível pensar na Legião sem a figura carismática de seu líder - seria a mesma coisa de querer ressuscitar o The Doors sem Jim Morrison. Renato era a própria tradução do grupo, cujas mudanças de trajetória sempre foram norteadas pelo seu temperamento instável.
Do início em Brasília, nos anos 80, quando apresentava um rock mais cru, visceral, com influências do punk, até os trabalhos mais recentes, já marcados por um romantismo que às vezes beirava o piegas, a Legião sempre refletiu - em forma de acordes e letras - o que se passava com Renato ou, pelo menos, o que ele pensava sobre uma série de coisas. Era como se o estúdio e os palcos - esses em menor proporção, afinal, os shows do grupo eram coisa rara - fossem uma espécie de confessionário, em que o vocalista expurgava seus pecados e contava seus segredos.
Tudo bem. ñs vezes, nem todo mundo entendia de imediato. Culpa dos "códigos" que ele utilizava. Provavelmente por temer se expor demais, em várias ocasiões Renato usou uma linguagem poeticamente cifrada para "revelar" suas posições. Foi o que aconteceu, por exemplo, com "Daniel Na Cova Dos Leões" - incluída em Dois, segundo álbum da banda, lançado em 1986. Faixa que virou hit em todas as emissoras de rádio do País, a canção falava sobre um romance homossexual - "Faço nosso o meu segredo mais sincero/E desafio o instinto dissonante", dizia um de seus trechos -, mas só foi assim compreendida quando o vocalista resolveu assumir sua preferência por pessoas do mesmo sexo, já no final da década.
A partir daí, é curioso, começaram a acontecer também as maiores mudanças no som da Legião Urbana. Nessas alturas, eles tinham feito Quatro Estações, seu quarto álbum - óbvio -, onde se alternavam climas mais pop e explícitos, como "Meninos e Meninas", e outros mais rebuscados. A surpresa maior, porém, veio no trabalho seguinte, o controverso V.
Divulgado dois anos após Quatro Estações, o novo disco era marcado pelo rock progressivo, o que provocou estranhamento em algumas pessoas. Os críticos, então - há muito tempo se coçando para arranjar um pretexto e falar mal dos rapazes de Brasília -, não tiveram dúvidas e mandaram ver na acidez contra eles em resenhas nos jornais e revistas. Mas nada que diminuísse a verdadeira adoração dos fãs do grupo.
A Legião sempre foi assim. Desde que os primeiros acordes de "Será" - música do disco de estréia, Legião Urbana, de 1985 - passaram a ser ouvidos em todo o território nacional, a banda foi envolvida numa onda de veneração quase comparável a uma seita religiosa. O "legiãomaníaco" que se preza reverencia até mesmo os covers do grupo; sabe todas as músicas de cor e salteado, inclusive a quilométrica "Faroeste Caboclo", do álbum Que País É Este - provavelmente o hit mais inesperado de toda a história do rock brasileiro - e não admite de maneira alguma críticas a seus ídolos. Nem mesmo quando eles começam a se tornar repetitivos.
Pelo menos é o que parece ter acontecido nos últimos anos. Se O Descobrimento do Brasil - de 1993 - ainda trazia algumas lufadas de ar fresco, embora no geral fosse meio enfadonho, o novo lançamento - A Tempestade - que acaba de chegar às lojas, está sendo recebido com várias ressalvas. Mas, quem disse que isso diminuiu suas vendas? Segundo a EMI-Odeon, gravadora da banda, 300 mil cópias foram vendidas por antecipação para os ávidos fãs, que já esperavam ansiosos por uma volta ao bom-humor de Renato para que a Legião resolvesse fazer uma de suas esporádicas turnês. Infelizmente, agora não vai dar mais...

 

Política de Privacidade

Skooter 1998 - 2008