Legião Urbana Uma Outra Estação
Bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet

eXTReMe Tracker
 

Alexandre Meira

                            Aversus

      

                                                    ( Alexandre Meira )

                                                    

Sucumbam aves,

O teto ao solo retira

Desfira a pena,

                                     A sina ou exílio,

Ao filho, o pai perdoa

                             Voa ao esperar findo

Indo tocando harpas

                                                 farpas nos dedos tortos

                                                                                                mortos sem poesia

Ia ao latejar das cenas

Mitos de Pégasus ou Perseus   

Credor sem critérios,

                                                       eis Micenas.

 

Estrela sem brilho,

                    Trilho sem horizonte

                               Distantes, afastam - se aos poucos

                                                                          Roucos

    pelos apelos...

e sê - los,

Aversus...

                ... ao espelho

                          centelha que queima as asas

                                                       com o coral de querubins a                

                                                           vê - los,

 

Perdendo - se em prantos,

                           Cânticos de sussurrar singelos

                                                             Martelos de crucificar              

   enfermos...

 

Eldorado

 

                                                                      ( Alexandre Meira )

 Aos saudosos navegantes,

dos mais magros retirantes,

histórias de bandeirantes

desbravando horas em cada instante.

 

Nessa via única rumo ao início

de uma vida deslocada em milhas,

semeando passos em cada trilha

incerta do caos, desde o começo.

 

Dessa vez não vemos nativos

correrem das cruzes ou das espadas,

pois pra quem tem fome, a jornada

é uma via de cruzes, e a navalha

das encruzilhadas.

 

Nada do ouro que supões,

se limita ao asco da luxúria,

já que o céu de estrelas é o altar,

de lamentos, orações e penúria.

 

O castigo é seguir avante,

largar o sol atrás, no começo,

e tropeçar nas pedras da fadiga

esbarrando no calor dele,

num novo ensejo.

 

Vagando longe das utopias,

dos discursos inflamados sob gravatas frouxas,

pois quem sente as orelhas quentes

do calor da retórica,

tem a vista embaçada e a voz é

fraca e rouca...

 

E assim seguem viagem rumo ao oásis,

o Eldorado de sonhos vendidos,

na esperança de novos ouros,

horizontes de vida comprometidos

em guerras sem vitória,

sem louros.

 

E a vós honrosos conquistadores,

sedento de metais, pedras e sonhos,

só deixaram trilhas destes delírios bisonhos

aos mais miseráveis pagadores

de uma dívida secular.

Fizeram do oásis seus vis atalhos,

roubando destinos itinerantes

dos mais tortuosos caminhos,

sagrados desde o "descobrimento",

a cidade dos fins atingidos

se esconde atrás dos meios violados

a cada instante,

e se alguém paga nessa terra de gigantes

de pés " sujos" de barro,

esse condenado é o retirante.

 

Assim o ouro da cidade criada

se esconde atrás dos concretos e das

marquises,

cinza e caótica ,

leito sem fonte,

Eldorado de pedra desse novo

bandeirante,

acostuma - se ao pouco alento

embaixo da ponte,

e trilha a busca do ouro do novo

dia...

O céu sem estrelas celebra uma

nova romaria,

e se descansa as pálpebras

de ontem do ardente fardo...

Ainda atordoado acorda

ofuscado em sonho pelo brilho

do seu mais novo eldorado...

 

 

 

 

 

 

 

Política de Privacidade

Skooter 1998 - 2008