Legião Urbana Uma Outra Estação
Bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet

eXTReMe Tracker
 

Marília Bárbara Fernandes Garcia Moschkovich (São Paulo - SP)

. . .

Ainda estou aqui
Mas não sei se vou ficar
Amanhã vou embora
E, quem sabe um dia, eu volto.

Voltarei
Quando me lembrar
De seus olhos tristes
Me pedindo ajuda.

Voltarei
Quando me decidir
Entre ficar
Ou ir.

Voltarei
Assim que descobrir
O mundo e o amor -
Que sempre sabe o que é correto.

Sim, voltarei
Quando souber
Fazer o certo.

Estarei aqui
Quando você entristecer.

Estarei aqui
Quando você precisar de alguém
Prá conversar -

Alguém que possa lhe dizer
O quanto gosta de você,

Alguém que sussurre no seu ouvido
Roçando nele os lábios com carinho,

Quem solte palavras verdadeiras,
E não deixe seus olhos escorrendo,

Alguém que faça o sol sair
Para poder observar o poente com você,

Alguém com defeitos,
Com imperfeições
E sonhos:

Alguém assim, como você.

 

A chave para os erros


Tudo aquilo que você amou
Todas as coisas que já lhe passaram pela cabeça
Os elementos da fúria e do cansaço
As partes da tranquilidade azul
Reinam no lirismo da sua alma.

 

A décima quarta primavera

Não encontrei alguém para gostar
Não vi ninguém, ninguém para amar
Não quero ver, me entregar
Não acho que a solução seja me escravizar

Tento sempre estar certa
Tento deixar uma porta aberta
Para entrar a primavera
Com a felicidade que me espera

São imperfeitas as situações
Tristes alguns pensamentos
Líricas as minhas canções
Como velas seguindo o vento

 

Em meio ás sombras

Tentei não pensar
Acabei por não agir
O que fiz foi falar
Falei em me excluir

Me deixei sozinha
Pensando sob sombras
sobem as sombras
Escurecem o equilíbrio

Tornam o grave perigoso
A luz agora escura
Horroriza o temor
Mas resta um pouco de ternura

 

Escravidão

Se quer pensar, 
mas não se deixa
Se quer dizer, 
mas não se tenta
Se quer fazer, 
mas não se pensa

Se faz pensar,
se faz tentar,
se faz deixar,
Atormentar.

A lágrima que marcou
se fez tentar
A solidão, que aqui ficou
me fez pensar
O tudo que me complicou
te fez deixar

 

Lógica

Promessas, palavras
Sentidos, travas
Agonias, deseperos
Cores, cheiros

Farsas, vinganças
Tonturas, esperanças
Ardores, amores
Terrores, pavores

Lágrimas, gotas d'água
Lembranças, guitarras
Vozes, cores
Formas, dores.

 

Nada além do que conheço

É limitado o pensamento
É travado o conhecimento
É absurda a solução
É o horror em nossas mãos

São concordâncias deseperadas
Que sempre, sempre, levam ao nada
São gaiolas onde nos prendem
Somos tudo o que eles pretendem

Ressucitam minhas dores
Morrem meus terrores
Nascem novos pavores
Voltam á tona teus amores

Inimigos se torturam
Me torturam
Te torturam
Nos torturam

Com a solidão

O tardar do amanhã poente.

Já que não sei,
Como podem me perguntar?
O mundo ainda está aqui,
Mas apenas começamos.

Me equilibro em idéias,
nas minhas filosofias.
O pensamento vence batalhas.

Mas por enquanto 
ainda estamos na guerra.
A força é apenas o desejo de vencer.

A vontade e a disposição.
Necessárias.

Não imagino maldades,
nem pretendo te descobrir.
Assistir à sua morte lenta,
imaginar o seu íntimo.

Teus segredos, intrigantes
te revelam 'prá mim
Por enquanto.

Ainda raciocino,
imagino.
Junto as peças
deste quebra-cabeça.

Tua dor
é abafada por palavras
de compreensão.
Um amigo.

Tuas mágoas
afogadas em meio a
concordância.

O último poeta

Um poeta
O último
Em busca da compreensão
Procurando um lugar
Para sentar, se acomodar.

Rodou o mundo com suas palavras
Escreveu os sentimentos de muitos
Pensou as idéias de outros.
Exprimiu a esperança que existia, sim,
Mas bem lá no fundo da alma.
Como é a vida.

Sempre procurando por alguém
Procurando quem lhe entendesse.
Escreveu e passou o que mais procurava,
Sem saber que ali estava,
Não viu que teria a liberdade
De ter compreensão, um dia.

Nos deixou
Apenas com seus sentimentos
(Sentimentos humanos)
Apenas com sua voz
(Linda voz...)
Uma lembrança
Doce, melodiosa,
Sereníssima.




A lembrança do olhar tristonho
O olhar que só queria uma coisinha
Algo simples
Algo que não está ao alcance 
De nenhum de nós.

A liberdade
A justiça
A igualdade
A compreensão
A esperança.

Não foi justo.
Foi cedo.
Passou?

Não sei.
Não sei.
Não sei.

Ele tentou.
Não conseguiu.
Partiu.

Levando as rosas,
Palavras de nossa afeição.
Deixou a mamória,
Começando Uma Outra Estação.

Acendeu a chama
De duas gerações

Abraçou jovens e velhos
Procurando sempre receber.

O mundo não é tão fácil
O simples ainda é difícil.
Ele fez o melhor
Nós tentamos continuar bons
Enquanto o caos segue em frente
Com toda a calma do mundo.

Os finais são sempre tristes,
Quando a morte só é aliada
De quem se foi.

Quem ficou, vê a lembrança.

Uma serena voz,
Que acalma,
Que dá força -
Palavras de compreensão:
Um poeta.

 

Os anjos

Ah, como eu gostaria de saber,
De penetrar no teu ser,
De ser com você,
De te conhecer

És como a lua
Que ilumina meu caminho
Em meio à escuridão
O breu de minha afeição

Somos matéria em energia
Que interage com o pensar
Desenrola nosso olhar
Pensando no sentir.

Trago sete rosas vermelhas
São sete os pecados capitais
Sete, as notas musicais
Se te gostar serão sete amores perdidos

E tenho sete sóis em mim
Me iluminando por fora
E se eu precisar de ti, agora
Que se façam sete fins

Três pensamentos quebram a regra
Quebram a poesia
Quebram a trégua
Quebram nossa energia

Pensam sozinhos em suas dores
Caminham pensando em teus amores
Em ti, em mim, em nós, em três.
Se eram ou já foram, danem-se 

 

Perfeição

Duas almas solitárias
Vagam na rasa escuridão
No mal que aí está
Na lembrança e na solidão

Sem prazos,
preços,
rótulos ou
dicriminação

Trazem na memória
Seu passado e seus horrores
Suas esperanças, suas dores
Suas perdições, seus temores

Levam quando se vão,
o ódio, a inveja, a afeição
Embriagados com o nada,
Com o calor e a idealização

A perfeição.

 

Poema para encucar
Sempre.
Quando?
Lá.
Aqui.
Acolá.
Ali!!!

 

Ponto de vista

Um ponto
Muitos lados
Indecisões 

Jeitos
Diferenças
Esperanças
No ponto 

Outro ponto
Observa o ponto
Qual será sua visão?

 

Romeu e Julieta

Uma vez tive um sonho
Que me levou á loucura
De ter o seus pensamentos
presos como pássaros
na gaiola da minha imaginação.

Ah, se você soubesse
Se você sentisse
Se você conhecesse
Pelo menos um pouco do que sinto.

Agora me perco
Perdi o controle
Perdi a minha vida
Perdi a minha morte
E o senso de amor.

Onde piso são nuvens
O que vejo são sentimentos
O que sinto são cores
O que sou são palavras

Me alimento de idéias

Ando em negatividades
Os passos me acreditam

Se sou assim,
como podes não gostar de mim?
Você mesmo me conta
O seu passado
O seu futuro
O presente e o teu equilíbrio

 

Simplicidade

Sem desertos
Sem fronteiras
Sem espaços
Sem limites

Os pensamentos
As soluções
As exclusões
As precisões

O tempo
A vida
A alma
Agora lida

 

Traição

Destruímos sonhos
Acordamos na realidade
Pisamos no chão de estrelas
Esmagando felicidades

E ainda não conseguimos
Não conseguimos o que queríamos
Tentativas fracassadas
Não são só águas passadas

O rio continua correndo
Mesmo que mudem o seu fluxo
Persistência é um item
Mas não podemos nos dar este luxo

Ensangüentar a calçada
Não adianta absolutamente nada
Tentar e conseguir
É quase impossível não se trair

Irracionalmente palavras voam
Dos meus dedos, como fontes
Fontes de inspiração
Fortes fontes de traição

Sendo apenas o que queremos
Seremos muito menos
Não pareceremos todos iguais?
Nada disso parece te importar mais

Tremo de cansaço, 
desespero, fracasso.

Vejo um mundo triste
Uma aparência doentia
Ninguém nunca, jamais conseguiu
Tudo aquilo o que queria

Temos muito a perder
Muito a aprender
Por que o vitorioso
Atualmente é você?

 

Uma canção

Os cabelos lisos
escuros, compridos.

Ébano.

Os olhos tímidos
me rejeitaram
já no primeiro olhar.

As trevas.

Solidão não aparente
Peso no sub-consciente
E era uma vez

Um sonho.

Led Zeppelin
Janis Joplin
Os Beatles
e Jimi Hendrix

Você.

O rock que domina
O caos em que 
a minha mente termina

Stairway to heaven

As lágrimas que caem
como gotas d'água em mim
Limpando minha imagem
Purificando o meu ser

Cry Baby

Se já foi
nunca mais te vi
Nem vou mais te ver

Strawberry Fields Forever

E a neblina
púrpura
não me permite 
enxergar 
através
do seu olhar

Purple Haze

O futebol presente
como um assunto importante.
Difarçando os sentimentos
Acabando com meu universo

Desespero

Os olhos,
a perfeição 
dos lábios
ruborizados
que nunca tocaram os meus

Exterior

Pouca conversa
vindo de sua voz
Alguma coisa estranha
Fazendo um ruído 
no silêncio
quebrado por um fio de voz

Nós

Os olhos,
a perfeição
dos lábios
ruborizados
que nunca tocarão os meus

Tristeza

Acordo de um sonho.
"Seria impossível",
pulsa minha mente.
"Algo aconteceria",
pensa meu coração.
Mas não adianta
um desacordo
acordado.

Lágrimas

Se não houvessem palavras
O pensamento falaria por todos
Não haveriam mentiras
hipocrisia
E, sim, liberdade
para falarmos o que sentimos
não dizermos pelas costas
ou então pensarmos escondidos
sem admitir que o fizemos.

Pensamentos.

Mil dúvidas me atormentando
Lembro os olhos negros

Como as trevas

Os cabelos lisos, 
compridos, 
negros

Como o ébano

A solidão
no sub-consciente

Um sonho

Strawberry Fields
Stairway to heaven
Cry Baby
Purple Haze

Você e eles

A pureza do momento
quebrada por um fio de voz

Eu

Será que tudo não passou
De uma experiência lírica
Purificando o meu ser?

Nada sei.

Apenas uma vez
preciso te ver de novo
Ver o seu remorso aparente
De um olhar de timidez

Insensatez

Uma guitarra
Um papel
Um lápis
Um pensamento

Um poema

Uma melodia
Uma harmonia
Uma amizade

Uma canção

O silêncio constante
Presente na situação
Que ilustrada é interpretada
De inúmeras e diferentes formas

Idéias

Teus amigos
Teus sonhos
Teus pensamentos
Teus verbos
Teus substantivos

Tuas regras

Um dia ainda vou
te reconhecer
aprender a voltar
reaprender a amar

Tranquilidade

Uma idéia,
a liberdade presente
Um ombro amigo,
as lágrimas caem
Uma guitarra,
você vem á mente

Lembranças

Uma guitarra
Um papel
Um lápis
Um pensamento

Um poema

Uma melodia
Uma harmonia
Uma amizade

Uma canção

Os cabelos lisos
escuros, compridos.
Os olhos tímidos
me rejeitaram
já no primeiro olhar.
Solidão não aparente
Peso no sub-consciente
E era uma vez.
Os olhos,
a perfeição 
dos lábios
ruborizados
que nunca tocaram os meus.
Nunca tocarão os meus.

O ébano

As trevas

Um sonho

E a tristeza

Teus amigos
Uma guitarra
Teus sonhos
Um papel
Teus pensamentos
Um lápis
Teus verbos
Um pensamento
Teus substantivos

Um poema
Tuas regras e critérios

Uma melodia
Em dó maior seria perfeita
Uma harmonia
Com sétimas maiores
Uma amizade
Que valha para sempre

Uma canção
Que reflita os sentimentos

VOCÊ.

12/06/99-sábado
22:39:42

 

Política de Privacidade

Skooter 1998 - 2008