Legião Urbana Uma Outra Estação
Bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet
bullet

eXTReMe Tracker
 

Matheus Vieira

Não pude
Autor: Matheus Vieira
 
Sou poeta?
Talvez eu seja um poeta que vive
ou um poeta morto;
um poeta morto no salão dos passos perdidos
tentando encontrar alguém ou ninguém
 quem irá saber?
Um ninguém que ocupa um tudo em mim
ou será um nada?
Um ninguém que me preenche com um vácuo
capaz de fazer inveja ao vazio
Você quis ir, eu tentei impedir
mas se você quiser ir
que assim seja.
 
 
 
Negro Viver
Autor: Matheus Vieira
 
Estou com vontade chorar,
Estou com vontade de fugir,
Estou com vontade correr,
Estou com vontade morrer,
Por quê?
 
Se já morri faz tanto tempo
e hoje padeço no cemitério dos vivos,
pois já não me aceitam em vida
já não posso viver sem morrer
não posso ser alguém sem ser ninguém
um tudo depende de um nada
assim como a sombra depende da luz.
 
Por onde olho não vejo nada
meu olhar se perde na imensidão
lembrando o que já foi
montando o que irá ser
e destruindo o que poderia ter sido.
 
 
Minha alma, meu mundo
Autor: Matheus Vieira
 
Não sei o que sou,
Talvez me perdi
Talvez me achei
Mas sei que ainda amo.
 
Amo o quê?
Amo a vida ou amo a morte?
Amo o amor ou será o ódio?
Amo a beleza... mas o quê é belo?
O mundo que é preto e branco
ou são meus olhos que não consenguem ver as cores?
 
Meu eu se divide em dois
no bem e no mal
no tudo e no nada
no rei e no escravo
no começo e no fim.
 
Busco almas feridas
mas a minha eu não posso achar
A cura da minha doença ainda não encontrei
mas há quem diga que ela não existe.
 
Busco-a na esperança de um dia ser alguém
como ninguém
Ser mais um corpo na multidão
Porém não adianta
por mais comum que eu seja
eu ainda sou único, exclusivo
Mesmo que eu padeça
não morrerei; meu mundo viverá para sempre
Minha'lma é eterna por natureza
e imortal por excelência
 
 
Meu alguém
Autor: Matheus Vieira
 
Talvez eu seja aquilo
que não existe
Que um dia caiu por terra
por não sber viver.
Como a água que cai da montanha
me prostei de joelhos
com medo do desconhecido
 
Uma vez um louco me disse que a insanidade
da louca loucura loucura loucarizada
esta'tão somente na louca mente do louco.
 
Quando chega a noite eu vivo
ou morro
Eu me sinto sozinho
porém acompanhado
 
Olho pro céu e cada estrela
me parece um lágrimaque caiu
devidoa um coração partido
 
 
Como um raio de sol
o brilho da lua me encheu os olhos,
mas não soube o que dizer.
Quando amanheceu,
me deu vontade de chorar
porque agora já não é meu mundo
agora deivei de viver
Agora só me resta easperar
que como um cometa
meu alguém vai passar.
 

 

 

Política de Privacidade

Skooter 1998 - 2008